24 de fev de 2010

About accents and pasta sauces



The one who pays attention to accents is like someone who only eats spaghetti Bolognese.

It's like someone who has never proved, by sheer ignorance or mere hesitation, a carbonara.

Or a putanesca.

Sauces must be the same as whores: always at the customer's taste.

Sauces must be like those who eat them: reflecting their level of civility. Or cosmopolitanism. Or not.

No, not that the Bolognese does not express any nobility. On the contrary. After all, such would be a blasfemy with the dear friends from Bologna.

But what pisses me off are those who just want to eat pasta with sauce of ground meat (although the 'vero bolognese' is made of beef finely chopped, cooked for hours over low heat).

It is the lack of window, the unwillingness to perceive that smell that sounds on the other side, the color of cooked tomatoes for hours, the perfume of the panceta, the basil that gives color to the smell of the cooked, the fresh rosemary that transforms, the oil that lights up.

It is the lack of it all that makes me think and reflect on the lack of vision on the negligence of accommodating the other in the heart, the pre-trial of ideas, cultures, ways of being, anyway, the accents.

I speak as I like. And as the whole world. And I sail the accents as if they did not exist, even though I am aware of their presence, of their carriage, of their origin. But not everything that originates is worthy to exist.

So are the accents, as well as pasta sauces. In fact, I really sauce a pasta. God bless! Cheers!

Sobre sotaques e molhos de macarrão




Quem repara em sotaques é como alguém que só come macarrão à bolonhesa.


É como alguém que nunca provou, por pura ignorância ou mero titubeio, um carbonara.


Ou uma putanesca.


Os molhos devem ser mesmo como as putas: sempre ao gosto do freguês.


Os molhos devem ser como quem os come: refletem seu nível de civilidade. Ou de cosmopolitismo. Ou não.


Não, não que o bolonhesa não exprima nenhuma nobreza. Ao contrário. Afinal, tamanha seria a desfeita com os caros amigos de Bologna.


Mas o que me deixa puto são aqueles que só querem saber de comer macarrão com molho de carne moída (se bem que o ‘vero bolognese’ é feito de carne bem picadinha, cozida durante horas sob fogo brando).


É a falta de janela, a falta de vontade de descobrir que cheiro tem o som do outro lado, a cor do tomate cozido por horas, a panceta que perfuma, o louro que dá cor ao cheiro do cozido, o alecrim fresco que transforma, o azeite que ilumina.


É a falta disso tudo que me faz pensar e refletir sobre a falta de visão, sobre o desleixo de acomodar o outro no coração, sobre o pré-julgamento de ideias, de culturas, de maneiras de ser, enfim, de sotaques.


Eu falo como eu como. E como o mundo inteiro. E navego nos sotaques como se eles não existissem, mesmo consciente da sua presença, do seu arrastado, da sua origem. Mas nem tudo que tem origem é digno de existir.


Assim são os sotaques, bem como os molhos de macarrão. Aliás, eu realmente bem como os molhos de macarrão. Benzadeus! Saúde!